• Thiago Silvestre

Como organizar sua colação de grau e festa de formatura sem atropelos e contratempos

Atualizado: 13 de Mar de 2019

Pode ser que o seu curso ainda esteja longe do fim, mas o quanto antes a turma começar a pensar na formatura, melhor: mais tempo para organizar tudo com calma, juntar dinheiro e obter melhores alternativas de pagamento. O tempo mínimo para organizar tudo, aconselham os cerimonialistas, é seis meses. O ideal, no entanto, é começar a programação já no início do primeiro ano da faculdade.



Alguns cursos, como o de medicina, por exemplo, que costumam promover cerimônias e festas maiores e mais caras, começam o planejamento ainda no primeiro semestre de faculdade. O primeiro passo é escolher a comissão de formatura, o grupo de alunos voluntários de uma ou mais turmas do curso de graduação que se reunirão para organizar os eventos da formatura: missa, colação de grau e festa. A comissão deve ter um aluno representante e um suplente para cada turma envolvida. De acordo com a relações públicas Rossana Ferreira, que presta serviços para cerimoniais em Belo Horizonte, Minas Gerais, uma comissão não deve ultrapassar 10 membros.

Se a turma for de até 30 ou 40 formandos o ideal é uma comissão formada por no máximo cinco membros. Se forem mais de 40, é interessante incluir cargos como vice-secretário, suplentes, nunca passando de 10 membros.


É papel da comissão criar uma associação sem fins lucrativos e registrá-la no Cartório Civil de Pessoas Jurídicas. Para se registrar como associação, é preciso que a comissão crie e concorde com as normas que vão reger todas as suas atividades, o chamado estatuto, que conterá as seguintes informações: quem constitui a associação, quais os deveres dos membros, quem administra o quê, o quórum de instalação e deliberação da associação, como resolver os impasses que surgirão, como serão feitas as prestações de contas, quais os prazos não só de pagamento e prestação de contas, mas também da validade da associação, como vai se dar a dissolução da mesma, o nome da comissão, onde ela vai ser sediada, a estrutura hierárquica e a distribuição das tarefas.


À comissão cabe ainda escolher os alunos que serão oradores, normalmente um por curso envolvido; indicar um professor que se destaque para ser o paraninfo de todas as turmas, mesmo de cursos diferentes; escolher professores homenageados, um por curso; e indicar um patrono, que normalmente é uma personalidade de destaque na área profissional dos formandos.


A bacharel em direito, Larissa Affonso Magalhães, que se formou este ano, fez parte da comissão de formatura e avisa: é preciso ter muita disposição para enfrentar a maratona de reuniões.


- Participar da comissão de formatura é bastante cansativo. Tem que pesquisar muito, não pode ter preguiça. Tem que estar acessível o tempo todo, engolir críticas, por que é impossível agradar todo mundo. Tem que estar muito a fim mesmo - afirma.


Segundo Rossana, o segundo passo é pedir indicações com amigos que já se formaram sobre empresas especializadas na organização de eventos. A empresa será responsável por todos os detalhes que envolvem a cerimônia de colação e o baile de formatura, desde a arrecadação de dinheiro entre os formandos, até os contratos com salões de eventos, bufês, banda, convites, fotos, etc. O ideal é comparar orçamentos detalhadamente e visitar as festas organizadas pelas empresas cogitadas.


Todos os direitos reservados ao Jornal O Globo.



300 visualizações

Rua Sargento Ovídio, 944A, Barro Vermelho, Natal - RN Brasil

Tel: 84 3222-9773

WhatsApp: 84 99134-4714

contato@haydeecerimonial.com

© 2020  direitos reservados

Haydée Cerimonial e Eventos 

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Pinterest Icon
  • White Twitter Icon
  • YouTube - Círculo Branco